O vilão da criação de cães e gatos: tríade do neonato

É considerado neonato o cão desde o momento do nascimento até completar 2 semanas de vida.

Este período é o mais crítico em uma criação, a dependência da mãe é total, e é o período onde há maior risco de óbito nas ninhadas, por isso o acompanhamento da evolução dos bebês deve ser muito criterioso.

Os sentidos funcionais neste período são o tato, o olfato e o paladar, por isso após o nascimento os neonatos já procuram o teto materno.

O ideal é que o parto seja natural , os neonatos nascem mais ativos e o próprio parto leva a descida do leite e a conscientização da mãe para os cuidados maternos.

O acompanhante deverá verificar inicialmente se o bebê está todo róseo forte e se está chorando, com isso propiciará avaliação dos sinais vitais primordiais a sobrevivência ( respiração e batimento cardíaco ), depois com o auxílio de uma toalha seca , procure retirar todas as sujidades do parto que porventura a mãe ainda não o fez, pode usar até mesmo o secador de cabelo para secá-lo e restabelecer a temperatura corpórea.

O próximo passo é abrir a boca a fim de verificar se não tem fenda palatina, procure colocar a ponta do dedo mindinho para ver capacidade de sucção, realize a pesagem do neonato, faça a desinfecção do umbigo com iodo povidine a fim de evitar infecção e se puder coloque uma coleira feita de esparadrapo ( cole as partes adesivas, uma na outra para não machucar a pele ), com as informações do peso e posição do nascimento ( exemplo : 1º, 2º ect ); após isso devolva o bebê para a mãe com a boca voltada para o teto, e inicie o procedimento com o próximo bebê, se a mãe permitir.

DESIDRATAÇÃO

O neonato perde cerca de 10% do peso após 12 horas do nascimento devido a desidratação fisiológica porém é naturalmente reposto com a amamentação nos dias subsequentes.

O bebê precisa de duas a três vezes mais quantidade de água que um adulto, sendo esta proporcionada pelo leite materno.

A pesagem deve ser realizada todos os dias até que o filhote complete 14 dias de vida e deverá duplicar seu peso em 10 a 12 dias de vida.

Situações como parto difícil, ninhadas muito grandes, falta da produção de leite transitória ou mesmo baixa produção de leite poderão ocasionar desnutrição e desidratação, daí a pesagem dos bebês é essencial para acompanhar a evolução do neonato e intervir com substituto de leite, se houver a necessidade.

HIPOTERMIA

A temperatura corpórea do recém nascido deverá estar entre 34,5 a 36º C e deverá se manter nas próximas duas semanas em 36 a 37ºC. O filhote tem mecanismos de controle de temperatura imaturo por isso a ninhada permanece unida. Filhotes em hipotermia, ou seja, temperatura corpórea aferida com a introdução de termômetro flexível no ânus, abaixo de 34ºC, tem a capacidade de sucção e a função intestinal reduzida, além da mãe ignorar o filhote agravando ainda mais o problema, levando o feto a óbito.

A temperatura ambiente na sala do parto deverá ser em torno de 30 a 32ºC, e nos próximos dias poderá ficar em torno de 24 a 27ºC. O contato com a urina da mãe deixará os bebê molhados e com dificuldade de manter a temperatura corpórea.

HIPOGLICEMIA

O recém nascido nasce com muito pouca reserva de glicose, as raças de pequeno porte estão mais suscetíveis por isso a amamentação adequada é com intervalos de 1 a 2 horas. Poderá ser necessário fornecer um pouco de glicose a 50% ou até mesmo leite condensado, para dar energia imediata ao bebê a fim de que ele consiga realizar a amamentação sozinho, que é o mais desejado.

Caso precise suplementar a alimentação, o estômago tem a capacidade de 50ml / kg de peso do neonato, não dê alimento a mais, a conseqüência será a regurgitação, que poderá levar a uma aspiração e pneumonia .